(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
 

The Division 2: A redenção da Massive e Ubisoft ?



A Origem – The Division

 

Na E3 de 2013 a Ubisoft em parceria com a Massive Entertainment, anunciou  sua nova proposta, assim como Rainbow Six e Splinter Cell baseado na obra de Tom Clancy a nova proposta colocava os jogadores num mundo aberto na pele de agentes federais que deveriam restaurar a ordem em momentos de crise. Pela primeira vez também foi apresentada a nova engine da Ubisoft, que seria utilizada em praticamente todos os seus principais títulos dali em diante, Snow Drop.

O titulo original  de 2016 foi marcado por controvérsias, desde um downgrade* considerável na parte gráfica que fez a Ubisoft se desculpar publicamente. Nos videos apresentados na E3 antecipando o lançamento o numero de detalhes, e a qualidade gráfica em geral foi muito superior do que foi entregue na versão final, mesmo na versão do PC.

E enquanto o jogo possuía uma ótima historia, e uma excelente progressão durante o New e Midgame  mas simplesmente não possuía uma endgame engajador, a proposta do jogo inicialmente eram as Raids, mas estas eram longas,  cansativas e não ofereciam recompensas que justificasse o tempo investido, o jogo também foi amaldiçoado com toda sorte de exploits e hacks, a postura inicial da empresa de não banir hackers pois feriria o direito do consumidor (sim do Hacker) também fez a população no PC decair chegando ao ponto de ter 30 mil jogadores num final de semana, um numero baixíssimo pra plataforma.

Somado a uma serie de más decisões que foram afastando a base de jogadores pouco a pouco, a Massive pouco a pouco tentou se redimir, mas muitos acreditam que tarde demais. Novos conteúdos foram adicionados ao jogo, mas nenhum deles deu continuidade a historia (que apesar de ótima, terminou sem um conclusão). A ênfase que a companhia deu as mecânicas PVP apesar de grande parte da população sequer se importar com isso foi mais um de inúmeros fatores que fizeram o jogo cair no esquecimento por anos.

Eventualmente a empresa encontrou um norte e começou a corrigir, implementando um endgame consistente para PVE, e deixou de “forçar” o PVP para progressão, mas infelizmente a essa altura a maior parte da base de jogadores, já havia migrado para outros títulos.

 


O Anuncio – The Division II

Na e3 de 2018, em meio a uma apresentação cheia de novidades, a Ubisoft mostrou ao mundo pela primeira vez a sequencia de The Division, e assim como em 2016, ela nos deixou de boca aberta, não pela qualidade gráfica, e sim pela ambição, o jogo se passa em uma das cidades mais vigiadas e protegidas do mundo, nada mais que a capital do governo americano, Washington D.C.

No vídeo apresentado, não temos muita ação, mas a ênfase na narrativa criava uma gama enorme de possibilidades, o vídeo descreve algumas das características que tornam a cidade tão peculiar, mas que nenhuma das suas medidas de contenção foi o suficiente pra parar o Vírus.

A principal diferença que podemos notar é que enquanto o titulo original se passa durante o Caos causado pelo Vírus, já com a chegada da segunda onda de agentes da Division. Todavia, Division 2 se passa sete longos meses depois que o vírus se espalhou, e como esperado, mostra que o trabalho para conter a ameaça em Manhattan falhou, espalhando o agente nocivo não só por todo o território americano, mas provavelmente por outras partes do mundo e embora o vírus já tenha se dissipado ele foi mais do que suficiente para colocar toda a nação de Joelhos.

No reveal original da E3, pudemos ver que Division 2 trocaria as ruas frias e escuras de Manhattan por uma Washington tomada por vegetação que cresceu livre sem influencia de mãos humanas, assim como pudemos ver um ciclo de noite e dia com variadas condições climáticas.

Logo em seguida, fomos apresentados a um vídeo contendo em primeira mão, um gameplay no jogo onde pudemos notar diversas mudanças sutis, mas importantes ao jogo… Algo que detalharemos mais adiante, todavia é certo que o jogo mantinha sua essência de shooter em terceira pessoa tático, e Division é um dos poucos títulos hoje no mercado que pode afirmar que fez a formula dar certo.

Ja na E3 foram anunciados que o BETA fechado ja aconteceria no inicio do ano, se considerar que houve menos de um ano entre o anuncio e o lançamento, a companhia fez um bom trabalho.


Lançamento – Um recomeço pra franquia ?

Embora no Beta tenham havido alguns problemas de servidores, no lançamento tudo correu de forma fluida, e devo dizer que a Massive conseguiu reparar e corrigir tudo aquilo que eu via como um problema no primeiro jogo:

 

O mundo:

Quero começar falando sobre o mundo de The Division 2, o mundo não só parece ter vida própria, da pra ver ele respirando. As varias facções aliadas e inimigas interagem entre si com civis sendo colocados entre elas, a atenção e a quantidade de detalhes é algo que assusta, cada rua, cada bloco e quarteirão do jogo parece ter sido feita a mão por alguém extremamente perfeccionista e graças a beleza da engine Snow Drop o mundo não só é bonito, é uma paisagem em movimento a sua frente.

O Mundo apresenta ainda mais detalhes que o jogo original, com muito mais interação.

É comum você parar enquanto explora as ruas da capital para admirar o cenário ou a interação entre os NPCS que vão desde coisas como uma patrulha reclamando do trabalho de limpar latrinas a doentes psicóticos executando civis em publico. Você pode interagir com todos eles assim como é comum ver verdadeiras guerras estourarem em meio ao cenário quando duas ou mais facções se encontram.

E embora houvesse uma interação limitada no primeiro titulo, havia poucos motivos pra se explorar o cenário PVE do jogo após vc conseguir todos os colecionáveis presentes no mapa.

Agora, patrulhas inimigas rondam o mapa, e inimigos de elite com recompensas consideráveis aguardam a chance de terminar com sua diversão, e diferente do primeiro jogo em seu lançamento, eles estão em maior numero e infinitos, o que me faz lembrar que no mapa também foram espalhados milhares (sem exagero) de containers contendo armas e equipamentos que também resetam com o tempo então diferente do primeiro titulo você pode ficar somente no lado PVE do jogo caso não seja um fã avido de PVP.

É comum poder explorar por dentro algumas das localizações famosas de Washington como Museus e outros pontos históricos como a casa branca e o capitólio.

A jogabilidade:

The Division 2 aprendeu muito com os erros de seu antecessor, é possível observar isso não só nas habilidades que criavam a possibilidade de exploits que foram removidas, como vemos que as novas habilidades, implementadas em substituição tem uma gama de utilização muito mais interessante que no primeiro jogo, as habilidades agora não só possuem mais variações (4 em comparação as 3 do titulo original) como elas dessa vez também aceitam modificações (MODs) que podem alterar a funcionalidade da mesma ou sua aparência.

No geral há uma boa resposta dos comandos, não só no tempo de resposta, mas os personagens parecem estar menos “travados” como estavam no primeiro jogo.

A movimentação do jogo foi melhorada em relação ao primeiro titulo, embora ainda aconteça do personagem ficar preso em alguns obstáculos invisíveis vez ou outra, ainda sim isso ocorre um numero de vezes bem menor que no jogo original, se você considerar que nesse titulo há muito mais objetos no cenário, podemos considerar como uma melhoria.


Os gráficos:

Enquanto o mundo de Division 2 parece ter vida própria, grande parte disso se da a atenção que os designers deram aos detalhes, e em Division 2 eles não pouparam nisso, cada rua, cada esquina conta uma historia, é possível deduzir pelos elementos que se encontra o que aconteceu em determinados lugares, como um apartamento que eu entrei onde uma escrita na parede dizia a esposa que o marido tinha saído pra procurar por ela, no mesmo apartamento encontrei os restos mortais da esposa, que provavelmente sucumbiu ao vírus como inúmeros outros na capital americana. Além disso, a maneira como o clima muda é um show a parte, e vai muito além de embelezar o jogo, a noite fica mais dificil visualizar inimigos, e em meio a chuva e ou neblina pesada você pode se deparar em meio a um esquadrão inimigo caso ande sem cautela. No geral The Division 2 é uma experiência gráfica muito bacana.

 


A Historia:

Acho que esse é o ponto que mais merece atenção pois é o ponto que mais deixou a desejar pra mim, a historia existe, mas não senti que ela me prendeu como no primeiro jogo, ela tem seu próprio brilho mas de certo modo esta totalmente isolada da historia do titulo original embora você veja personagens icônicos do titulo original serem mencionados aqui e ali, ainda sim fico um pouco triste por depois de todos estes anos não trazer um desfecho para a trama iniciada no jogo de 2016.

Todavia, a historia apresentada esta mais focada na reestruturarão do governo americano, você encontra figuras importantes, assim como outros agentes da Division em sua busca pelo mapa gigantesco de Washington D.C e as quatro facções inimigas presentes no jogo no lançamento são muito bem desenhadas e estruturadas, você consegue se simpatizar com os vilões e algumas de suas ações.


O Endgame:

O primeiro jogo sofreu muito, muito mesmo pra proporcionar um final de jogo que não incluísse um modo PVP, em Division 2 você genuinamente só precisa fazer PvP se for a sua praia, o mundo vivo de The Division 2 coloca as facções se enfrentando constantemente pelo mapa enquanto você joga, as facções inimigas e seus aliados se enfrentam em diversas partes do mapa por recursos e pontos de controle que cedem vantagens estratégicas para seus donos, e é claro você pode participar seja ajudando seus aliados ou simplesmente invadindo um ponto de controle sozinho reclamando ele para o lado dos mocinhos.

E para aqueles que gostam de PVP não só a Dark Zone esta de volta (Dessa vez temos 3 e não 1) como temos o modo conflito logo de cara a disposição dos jogadores, ambos separados por tiers de acordo com seu nível para que você não fique em desvantagem.

 

A customização de personagens esta bem mais ampla que no primeiro titulo, e você tem diversos emotes como o famoso “Selfie” pra usar nas mais variadas situações.

E não é só isso, eventualmente quando você concluir a historia e atingir o nível máximo de personagem (30) você irá liberar uma versão ainda mais desafiadora onde novos inimigos, com tecnologias ainda mais perigosas que a da Division tomam as ruas, novas missões e pontos que antes eram inacessíveis ficam abertos aos jogadores que podem explorar o mapa em um grupo de 4 jogadores.

As recompensas caem de forma justa e você consegue progredir mesmo jogando apenas algumas horas por semana, o jogo agora também possui um sistema de clã com recompensas exclusivas para progressão de nível, e futuramente teremos a adição de RAIDS (Incursões) para até 8 jogadores.

Outro ponto legal é que no nível 30 você libera as tres especializações existentes onde você pode escolher entre uma arma assinatura (Rifle .50, Lança Granadas e Besta) , cada uma das especializações amplia as opções que você tem de jogar os diversos modos de jogo presentes.

Em geral The Division 2 oferece um ótimo conteúdo de Endgame que ira te prender por muito tempo depois de finalizar a campanha, e como o conteúdo adicional pelo primeiro ano será gratuito, temos uma serie de boas coisas por vir, como eventos de temporada e promocionais com recompensas exclusivas.

 


Vale a pena comprar the Division 2 ?

Sem sombra de duvidas! O jogo não só oferece um ótimo desafio, como recompensa de forma justa tempo investido,você sempre vera alguma progressão, independente do modo de jogo que você queira participar.

Graficamente é um jogo ainda mais bonito que o original com muito o que se fazer, e mesmo que você só interesse pela campanha ela também possui seu charme e ira te distrair por mais de vinte horas.

Somado ao fato de que TODA a campanha pode ser jogada em Co-Op em quatro amigos, você ainda tem um ano de conteúdo gratuito ja confirmados pela Ubisoft.

É um jogo pra se aproveitar a longo prazo, por isso acreditamos que vale o investimento.

 

The Division 2

0.00
9

Gráficos

9.5/10

História

9.5/10

Jogabilidade

9.0/10

Trilha sonora

8.0/10

O Melhor

  • Jogabilidade divertida
  • Um mundo vivo pra explorar
  • Diversas atividades PVE e PVP
  • Cenarios impressionam

O Pior

  • Loads relativamente pesados
  • Algumas skills são totalmente inviaveis
  • AI dos inimigos deixa a desejar (Inimigos Suicidas)
  • Dificuldade em alguns encontros é muito alta
Scroll to top